Fala, tripulante! – Maria Chaves

Em nossa seção “Fala, tripulante!”, convidamos alguns integrantes da nossa tripulação para explicar um pouco sobre como é navegar na Proa Cultural. Dando início ao nosso quadro, confira o depoimento da capitã e sócia-diretora da Proa, Maria Chaves.

Maria, qual é a sua função na Proa e desde quando tornou-se tripulante?

Sou sócia-diretora e atuo na Proa há 1 ano.

O que você faz na empresa? Qual é a sua rotina de atividades?

Sou responsável mais diretamente pela parte de criação e produção, transformando ideias criativas em projetos.

O que mais gosta em trabalhar na Proa?

Ter uma experiência inusitada a cada projeto. Tanto faz um dia coordenar um evento de Games, como no outro desenvolver uma ideia de formação em audiovisual, ou ainda executar um projeto de Música.

Qual é o diferencial que você enxerga na empresa?

A Tripulação tem sensibilidade e expertise para fazer a ponte entre criativos e investidores a fim de gerar negócios sustentáveis. Para isso, é preciso um equilíbrio e respeito tanto pelo aspecto cultural e o processo criativo, quanto pelas estratégias de comunicação da empresa.

Em sua visão, a Proa é uma empresa cheia de…

…Criatividade, ideias inovadoras, ações efetivas de comunicação e marketing, experiências positivas com as marcas, projetos artísticos irreverentes.

Por que mais empresas deveriam conhecer o trabalho realizado pela Proa?

Para seguir a tendência de uma estratégia de comunicação mais efetiva num mundo em que a economia criativa está em franca expansão, gerando cada vez mais emprego e renda, e ajudando a tornar sustentáveis os negócios na Cultura.

Com Proa, você já aprendeu algo novo?

Que é possível fazer algo irreverente e sério, descontraído, mas eficiente, sensível mas com grande impacto na sociedade. Em resumo: aprendi com a Proa o sonho de fazer negócios para viabilizar projetos em cultura e transformar a sociedade.