Conheça histórias em quadrinhos aprovadas no PNLD Literário 2018

‘Angola Janga’, ‘Cumbe’ e ‘Carolina’, da editora Veneta, estão entre as aprovadas 

Livros, que tratam de temas como a escravidão e a discriminação racial, serão adotados por escolas públicas de ensino médio no próximo ano | Foto: Divulgação / Veneta

As histórias em quadrinhos Angola Janga, Cumbe (ambos de Marcelo D’Salete) e Carolina (João Pinheiro e Sirlene Barbosa) foram aprovadas no mais recente edital do Plano Nacional do Livro Didático Literário (PNLD Literário). A partir do ano que vem, esses livros serão adotados em escolas públicas de ensino médio de todo o país. Em outubro, professores de toda a rede farão a escolha dos livros.

Consideradas por especialistas um importante instrumento no tratamento de temáticas transversais a variados campos do conhecimento, as histórias em quadrinhos podem atender simultaneamente a diversos objetivos de aprendizagem. Os três títulos da Veneta selecionados trazem importantes recursos para o ensino da história e da cultura afro-brasileira e africana, que passou a fazer parte do currículo obrigatório das escolas com a lei 10.639/03, e abordam temas como o quilombo de Palmares, a resistência nas senzalas e a história da escritora negra Maria Carolina de Jesus.

Conheça as obras, aprovadas na categoria 6 (livros de imagens e livros de histórias em quadrinhos), para o Ensino Médio:

Cumbe, de Marcelo D’Salete
História em quadrinhos/192 páginas/ISBN: 9788595710313/Código: 1146L18606

Em Cumbe, Marcelo D’Salete retrata de forma inovadora a luta contra a escravidão no Brasil colonial sob o ponto de vista dos próprios escravizados. Se em Angola Janga o autor foca na história do maior quilombo brasileiro, em Cumbe ele mostra as estratégias de resistência dentro das senzalas. São quatro histórias que abordam o cotidiano de luta e opressão do período. O livro também traz um glossário com termos de origem africana presentes na obra.

Publicada também nos Estados Unidos, França, Portugal, Áustria, Alemanha e Itália, a obra venceu o Eisner Awards 2018, mais importante prêmio de quadrinhos do mundo, e ficou em primeiro lugar na lista das 11 HQs com protagonismo negro da InaLivros. Foi indicada ao Ignatz Award (EUA) e ao prêmio alemão Rudolph Dirks e é adotada em escolas de Portugal.

Angola Janga, de Marcelo D’Salete
História em quadrinhos/432 páginas/ISBN: 9788595710283/Código: 1132L18606

Mais extenso romance gráfico brasileiro, com 432 páginas, Angola Janga traz a história de Palmares, o maior quilombo brasileiro, marco de resistência na luta contra a escravidão. Zumbi, Ganga Zumba, Domingos Jorge Velho, Acotirene, Ganga Zona e diversos homens e mulheres compõem o retrato de um momento definidor do Brasil: a era colonial, marcada pela violência da escravidão. A obra é resultado de onze anos de pesquisa do autor. Um glossário com termos originários de idiomas africanos, personagens e conceitos citados na narrativa enriquece o livro, que ainda traz uma cronologia completa da Guerra de Palmares e mapas da região onde o quilombo se formou, no século XVI.

Publicada também nos Estados Unidos, França, Áustria, Alemanha e Portugal, a obra venceu, em 2018, o Prêmio Grampo e o HQ Mix (categorias Edição especial nacional, Destaque internacional, Roteirista nacional e Desenhista nacional, para Marcelo D´Salete).

Carolina, de João Pinheiro e Sirlene Barbosa
História em quadrinhos/128páginas/ISBN: 9788595710290/Código: 0991L18606

Nesta HQ, o artista visual João Pinheiro e a professora Sirlene Barbosa contam a história da escritora Carolina Maria de Jesus (1914-1977). Mulher, negra e catadora de papel, ela escreveu Quarto de Despejo, que narra o cotidiano na favela do Canindé, região central de São Paulo, onde morava na época. O livro ficou no topo da lista de mais vendidos do Brasil e foi publicado em mais 13 países nos anos 1960. Em Carolina, os autores retratam a infância pobre da escritora em Minas Gerais, sua vida sofrida em São Paulo, as ilusões e decepções com a fama e, por fim, seu esquecimento.

Publicada também na França, a obra traz um retrato das barreiras sociais e raciais ainda vivas no Brasil. Foi indicada ao Prêmio Jabuti 2017.

*Com informações da editora Veneta